fbpx

Conheça quem deve liderar a próxima inovação da indústria financeira, segundo Citi

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Executivos da maior instituição financeira dos EUA apostam em inovação liderada pelo setor público.

Como já deve saber, o avanço da tecnologia contribuiu para a inovação de diversos setores, fazendo as empresas oferecerem produtos e serviços que facilitam o dia a dia das pessoas. Muitas dessas soluções revolucionaram as relações de consumo e o comportamento da população mundial, sendo representantes do novo cenário econômico, por movimentarem bilhões de reais.

Falando da indústria financeira, a primeira inovação do mercado chegou em meados do ano 2000, conhecida como “big techs”. São empresas que dominam a tecnologia, oferecem seus produtos/serviços em grande escala e, claro, lucram muito com isso. As 5 maiores “big techs” hoje são a Apple, Amazon, Facebook, Microsoft e Netflix. Todas influenciam na forma que as pessoas se comunicam, compram e vendem no meio digital.

A segunda inovação do setor foram as “fintechs”, empresas que também dominam a tecnologia e oferecem soluções financeiras totalmente digitais, permitindo que os clientes acessem todas as informações através do smartphone, sem a necessidade do presencial. Geralmente, as “fintechs” oferecem conta digital, cartão de crédito e débito, empréstimos, entre outros.

Segundo os executivos do Citi, Steve Donovan e Driss Temsamani, a terceira inovação deve ser liderada pelo setor público. Isso não significa que os governos vão oferecer serviços diretamente para a população, mas diante do surgimento das criptomoedas (moedas digitais) e o “blockchain”, os bancos centrais perceberam que precisam controlar e tentar estabelecer algumas normas para o desenvolvimento do setor financeiro.

Qual a percepção dos executivos do Citi?

Com décadas de experiência na área de tecnologia financeira e vivência em vários países, os dois executivos do Citi (maior e mais antiga instituição financeira dos EUA) acreditam na possibilidade de fazer parcerias com as “big techs” e “fintechs”, tornando-se um “banco invisível” em diversos países, oferecendo a infraestrutura necessária para os parceiros ofertarem produtos e serviços aos clientes.

Segundo eles, a relação com os novos entrantes não tem caráter de competição. “Nosso maior competidor é a economia informal”, diz Driss Temsamani para a América Latina, baseado em Miami. As economias informais são qualquer tipo de atividade econômica exercida sem nenhum registro oficial.

Em entrevista ao Valor, os dois executivos alegaram que o Brasil é o país do mundo que mais inova no setor financeiro e serve de referência aos demais países da América Latina. Donovan até comparou o Brasil com a Cingapura, país localizado na Ásia e que é um gigante na economia, sendo um polo financeiro e tecnológico global. “Diria que o Brasil é a Cingapura da América Latina”, aponta.

FONTE: valor.globo.com